terça-feira, 22 de dezembro de 2009

JEAL 2009



EM 2009 A JUVENTUDE ESPÍRITA AVE LUZ - JEAL PARTICIPOU COM OS JOVENS E MONITORES DOS SEGUINTES EVENTOS:

CONFRATERNIZAÇÃO JEAL 2009




3º GEAL ARTE ESPÍRITA COM A PEÇA: A MADAME E OS ESPÍRITOS

4ª SEAL SEMANA ESPÍRITA AVE LUZ COM O TEMA:JESUS O MAIOR EDUCADOR DA HUMANIDADE

8º SEMINÁRIO AVE LUZ A CORRIDA PELO MATERIAL TIRANDO OPORTUNIDADES DE CONVÍVIO FAMILIAR

APRESENTAÇÃO TEATRAL JEART COM A PEÇA:TENTE OUTRA VEZ
->XI EMECE - ENCONTRO DE MOCIDADES ESPÍRITAS DO CEARÁ
->ANIVERSÁRIO DO CENTRO ESPÍRITA A SAMARITANA - CEAS
->MOARJE - MOMENTO DE ARTE JUVENIL ESPÍRITA - TEATRO MARISTA

CURSO DE APROVEITAMENTO ALIMENTAR: PROGEAL

ARRAIÁ BENEFICENTE:SITIO VILELA

CAPACITAÇÃO CIJ DIDÁTICA E LUDICIDADE

CURSO CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL:PROGEAL

CURSO VIOLÃO PROGEAL

FÉRIAS JUVENTUDE:ZOOLOGICO E SITIO VILELA

I COORDENANDO - CIJ:CAPACITAÇÃO PARA EVANGELIZADORES

I EPEG - ENCONTRO DE PAIS E EDUCADORES COM O TEMA:DEPENDÊNCIA QUÍMICA

I ENCONTRO JOVEM COM O TEMA:DEUS

III ENCONTRO DE EVANGELIZADORES CIJ:PROJETO EVANGELIZADOR

PELOS CAMINHOS DA EVANGELIZAÇÃO - CIJ:FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE EVANGELIZADORES

PLANEJAMENTO XII EMECE 2010:VALORIZAÇÃO DA VIDA

FOMOS PRESTIGIAR A VII MOSTRA DE TEATRO TRANCENDENTAL EM FORTALEZA - ASSISTIMOS A PEÇA:INQUIETO CORAÇÃO - SANTO AGOSTINHO

VII CONJECE-CONGRESSO DE JUVENTUDE ESPIRITA DO CEARA:
A VISÃO ESPÍRITA DA SEXUALIDADE

VII JUVENTUDE 5 - UDE 5 COM O TEMA:FAMILIA EM UMA SOCIEDADE EM CRISE

XI EMECE-ENCONTRO DE MOCIDADES ESPÍRITAS DO CEARÁ:FAMILIA APERTE MAIS ESSE LAÇO

------------------------------------------------------------------------------
Agradecemos a todos que colaboraram com a JEAL em 2009

AOS JOVENS QUE PASARAM PELA JEAL E AOS QUE PERMANECEM FIRMES NO PROPÓSITO DE UNIR FORÇAS EM PROL DE UM MUNDO MELHOR:

1 AIRTON
2 ALLAN
3 ANA LETICIA
4 ANDRE LUIZ
5 BARBARA
6 BIANCA
7 DANIELE
8 DAVI
9 EDNARDO
10 ÉDSON
11 EDWIRGES
12 FABIANA
13 FÁBIO
14 JOAO VICTOR
15 KAYNAN
16 KERLY
17 LUCAS
18 MÁRCIO HENRIQUE
19 MARCOS PAULO
20 MATHEUS
21 MIKAELLY
22 NATALIA
23 PAOLA
24 SAMARA
25 SUZANA
26 TALES
27 TATIANA
28 TIAGO
29 VICTOR
30 VICTORIA
31 WESLLEY
32 WILLAME
33 WILLER
34 YASMIM
35 AIRTON
36 FLÁVIO


AGRADECEMOS À BANDA " SKILLMOPH " pela participação no I ENCONTRO JOVEM e CONFRATERNIZAÇÃO DE NATAL 2009 - > Saulo, André Luiz e Herick

AGRADECEMOS À COORDENAÇÃO DA CIJ - FEEC - Fran Setúbal pela colaboração e apoio aos nosso Eventos Espíritas e pelos convites à nossa Juventude!

AGRADECEMOS AOS MONITORES DA JEAL:

-> Edval, Nilza, Nilce, Camila, Tássia e Geraldo


Agradecimento Especial a Ester Lessa e Nice e ao casal Vilela pelo apoio incondicional à JEAL em 2009.

Agradecemos ao Apoio e Condução dos Trabalhos à Diretoria do Grupo Espírita Ave Luz durante todo o ano de 2009!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

XII EMECE - VALORIZAÇÃO DA VIDA


O Evento que é X.O.U! está chegando!
Em 2010 a CIJ traz o Tema: VALORIZAÇÃO DA VIDA!
Jovem, programe-se...é imperdível!

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

VAMOS CANTAR - > NATAL TODO DIA!



NATAL TODO DIA

Roupa Nova


Um clima de sonho se espalha no ar
Pessoas se olham com brilho no olhar
A gente já sente chegando o Natal
É tempo de amor, todo mundo é igual
Os velhos amigos irão se abraçar
Os desconhecidos irão se falar
E quem for criança vai olhar pro céu
Fazendo um pedido pro velho Noel

Se a gente é capaz de espalhar alegria
Se a gente é capaz de toda essa magia
Eu tenho certeza que a gente podia
Fazer com que fosse Natal todo dia

Um jeito mais manso de ser e falar
Mais calma, mais tempo pra gente se dar
Me diz por que só no Natal é assim?
Que bom se ele nunca tivesse mais fim
Que o Natal comece no seu coração
Que seja pra todos sem ter distinção
Um gesto, um sorriso, um abraço, o que for
O melhor presente é sempre o amor

Se a gente é capaz de espalhar alegria ...
Natal todo dia ... (todo dia é Natal)

CORO INFANTIL:

Os velhos amigos irão se abraçar
Os desconhecidos irão se falar Eu tenho certeza que a gente podia
Fazer com que fosse Natal todo dia
Que o Natal comece no seu coração
Que seja pra todos sem ter distinção
Eu tenho certeza que a gente podia
Fazer com que fosse Natal todo dia

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Deus nunca te dará algo pesado demais que não possa carregar!







Senhor é pesado demais me deixe corta-la um pouquinho!

Senhor, por favor se eu cortar um pouquinho vou poder carrega-la melhor!


Senhor muito obrigado…


Use a cruz como ponte e passe por cima
Ahhh, não consigo,cortei e não posso passar…

Só há uma saída para os sofrimentos que passamos ,
Deus nunca te dará algo pesado demais que não possa carregar.
Por isso carregue a sua cruz e se alegre pelo galardão .
Aprenda a carrega-la e só peça ao Senhor forças
para seguir em frente e ser um verdadeiro vencedor.
Qualquer seja a sua cruz ,
Qualquer seja a sua dor
sempre haverá Sol
depois da chuva...
Talvez possa tropeçar,
ou talvez ate cair...
mas Deus sempre estará pronto
para responder quando você chamar...
Deus sempre enviara um arco íris
depois da chuva.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA


O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

O VALOR DO JOVEM ESPÍRITA

O dia 13 de novembro é dedicado ao moço espírita, fato pouco comemorado, mas de grande significado para todos nós. A convivência da família na casa espírita, tem na figura do moço a presença alegre e jovial que dá cor e vida aos momentos de trabalho e recolhimento espiritual. Diminuídas as distâncias entre as fases da vida, interligadas que são, abrindo horizontes, o jovem encontra possibilidades de ação em todas as nossas áreas de trabalho, desde o estudo e atividades sociais, até ao atendimento fraterno e reuniões doutrinárias.

O reconhecimento da mocidade como fase de transição, (ela realmente o é), um pequeno espaço de tempo entre a adolescência e a idade adulta, que varia de indivíduo para indivíduo, é de fundamental importância para essa nova visão. Ao contrário do que se pensa, a premissa não diminui o valor do moço, nem quebra a emoção dos maduros que gostam de se dizer jovens. A idade física está marcada nas fases da vida, a infância, a pré adolescência, a adolescência, a idade adulta e a velhice; já o espírito, imortal, pode ter a juventude prolongada ou a madureza precoce, se tiver condições, estado de evolução, e viver, que o permitam.

Transição rápida, no chamado período da mocidade, aumenta o espaço e tempo de trabalho na idade adulta, oferecendo melhores oportunidades ao jovem para o desempenho do serviço doutrinário na casa espírita. Os primeiros passos acontecem na evangelização, tem seqüência nas reuniões de mocidade, seguindo para a idade adulta onde se aproximam de tarefas e responsabilidades para os diversos setores. Adultos e jovens necessitam de preparo para esse momento. Com certeza, conseguimos avanços importantes nesta relação.

Pelo seu dinamismo e energia, o jovem realiza, dentro dos órgãos de unificação, encontros, seminários, confraternizações e eventos significativos. Estabelece elos de ligação entre grupos jovens, motiva a criação de novos núcleos, busca a interação entre departamentos e setores de trabalho, é elemento ativo das tarefas de unificação. Nas últimas décadas a juventude espírita registrou de modo indelével a sua ação na história do movimento espírita.

Todavia, é interessante observar que os objetivos principais do caminhar jovem na seara é o estudo e a vivência do espiritismo, a sua interação e a sua sinergia com a casa espírita, a formação de divulgadores e multiplicadores do conhecimento espírita, o seu crescimento pessoal. Para facilitar o alcance desses princípios e para bom relacionamento entre jovens e adultos, em todos os níveis e órgãos, é recomendada a manutenção permanente de canal aberto de comunicação; recíproca participação em reuniões; transparência e lealdade nos contatos; criar parcerias para o trabalho jovem e o trabalho adulto, fatores que favorecem o aprendizado e a troca de experiência. Jovem e adulto necessitam de convivência no processo histórico que vivemos, o consenso sempre será alcançado, com paciência e entendimento, se aprendermos a praticar os necessários ajustes.

sábado, 21 de novembro de 2009

NOSSO LAR O FILME


Após a morte do seu corpo físico, famoso médico acorda no mundo espiritual e vai viver numa colônia que paira sobre a Terra, onde terá que aprender novos valores morais e vencer a saudade da família na Terra. Adaptação para o cinema do livro homônimo escrito por Chico Xavier.
FONTE:http://epipoca.uol.com.br/filmes_detalhes.php?idf=22413

ESCLARECIMENTOS SOBRE A PRODUÇÃO DO FILME " NOSSO LAR "

O Blog TRILHAS Recebeu 15 (QUINZE) comentários sobre a matéria da produção do Filme " Nosso Lar" e destacamos aqui dois deles:

O primeiro foi de um dos membros integrantes do filme que não quis identificar-se e o segundo foi do Ator RENATO PRIETO, que representa ANDRÉ LUIZ no filme.
_______________________________________________
--> COMENTÁRIOS REPRODUZIDOS NA ÍNTEGRA:
__________________________________________________
Prezado Mario,

Realmente um grande pequeno "furo" de reportagem "roubando" uma foto de um cenário do filme - provavelmente sendo montado ainda, porque o cara sentado na maca não é sequer personagem.
Bacana ainda a colagem de imagens que você fez, encontrando informações que estão no site do filme www.nossolarofilme.com.br e também buscando no You Tube videos amadores para exemplificar, além, é claro, das imagens do livro da Heigorina Cunha, o Cidade no Além.

Queria, no entanto, esclarecer-lhe e pedir que você esclarecesse duas informações muito importantes: não se trata de uma produção americana mas sim brasileiríssima. Há uma parte da equipe estrangeira, com gente do Canadá e dos Estados Unidos. Apenas isso. E o filme já está em fase de finalização, com efeitos visuais sendo feitos no Canadá e nunca realizados no cinema brasileiro.

Por fim, um pedido - você pode esclarecer aos seus leitores que as imagens mostradas, tanto do You Tube quanto da própria internet (como no caso da imagem inicial, no topo da página) NADA têm a ver com o filme?
Muita paz e parabéns por dar seguimento ao tema. Precisamos da Internet para divulgar este filme desde já.
Grato,

Um amigo que, claro, participa do filme e não gostaria de se identificar
11 de Outubro de 2009 20:44
________________________________________________________
Ola, Mario,
sou eu de novo, seu amigo anonimo que participa do filme.

Venho pedir novamente que indique que os videos do You Tube NADA TEM A VER com o filme. Como jornalista, seria bom que voce informasse a seus leitores isso.

As imagens do filme estarao muito em breve para o grande publico. Tenho certeza que voce podera ajudar e muito nessa divulgacao.

Ainda, mais um detalhe - as imagens de Santa Tereza NAO sao locacoes do filme tambem. Uma pena...mas posso te adiantar que filmamos por lá, em outro lugar.

E, claro, a informacao de que o Chico Xavier escreveu o roteiro tambem esta equivocada. Imagino que esteja no site da Ancine, porque voce usou valores de orçamento que estao desatualizadissimos...

No mais, obrigado por falar e movimentar esse blog com esse intuito. Agradecemos em nome do filme.

E, aos que reclamaram do anonimato, exercitamos aqui o despersonalismo tao falado e ensinado na cidade. Apenas as informacoes valem. E o filme eh maior que todos...

Que todos os que lerem essas informacoes possam dissemina-las com o teor da verdade.
Muita paz,
Um membro da equipe do filme Nosso Lar

2 de Novembro de 2009 17:49 Anônimo disse...
_________________________________________________________________
Mario

tudo chega muito rápido. soube do seu blog .realmente é o cenário mas não sou eu na foto..como ja foi feito um comentário-verdadeiro- de um anônimo da equipe ...confirmo
SIM, represento no filme o André Luiz..e fico muito feliz em contribuir fazendo a minha parte na divulgação desta doutrina que tão bem responde aos nossos questinonamentos/dúvidas fazendo com que caminhemos em PAZ.

Renato Prieto
parabéns.

15 de Outubro de 2009
______________________________________________
NOTA:--> Mário Cesar Filho é o feitor da Matéria e da foto do Cenário do Hospital do Filme Nosso Lar.Veja matéria em seu blog: http://rascunhopassadoalimpo.blogspot.com e O CRÉDITO da reportagem sobre o “ AEROBUS ” é do Jornal Zero Hora.

-> Geraldo Mota Valintim é o Administrador dos Blog TRILHAS : http://valintim.blogspot.com, que atendendo ao pedido de um dos integrantes do Filme NOSSO LAR, que não quis identificar-se, refez esta matéria.
________________________
Clic na Imagem para Ampliá-la

A cena filmada neste espaço é do momento em que André chega ao hospital da colônia NOSSO LAR, depois de um longo período no Umbral

CENÁRIO DO FILME " NOSSO LAR "
______________________________
Mário Cesar Filho
Atividade: Comunicações ou mídia
Profissão: jornalista
Local: Rio de Janeiro : Brasil
Blog:http://rascunhopassadoalimpo.blogspot.com


Em meio à rotina do trabalho, algo interessante aconteceu esta semana. No prédio em que trabalho, distante do centro urbano, reparei nas últimas semanas uma movimentação de operários construindo uma espécie de cenário. E na última segunda-feira percebi que estava certo. A foto acima representa um dos cenários de um filme que está sendo rodado. Trata-se da filmagem de Nosso Lar, baseado no livro espírita homônimo, psicografado por Chico Xavier através do espírito André Luiz.
Quem conhece este livro, sabe que é uma das obras mais importantes para compreensão do mundo espiritual, e assim da Doutrina Espírita. Publicada em 1944, é a primeira de uma série de obras psicografadas de André Luiz.
Confesso que fiquei feliz em presenciar de perto este momento, por dois motivos. Primeiro que sou apaixonado pelo universo do cinema, e vejo com muitos bons olhos o cinema nacional voltando a fazer sucesso. Segundo porque vejo com entusiasmo a oportunidade de transformar em filme (de grande produção por sinal) uma história fantástica que narra o dia-a-dia da maior colônia espiritual do Brasil, com milhões de espíritos desencarnados, apresentado por um espírito de luz como André Luiz. Na verdade, o próprio conta a sua história de como ele chegou a esse ambiente, nos desvendando o universo espiritual.
Além de tudo isso, como que “por acaso”, esbarrei na entrada do banheiro com o ator Renato Prieto, que interpreta no filme André Luiz. Muito simpático, este ator é bastante reconhecido no meio espírita principalmente pelo seu trabalho de divulgação da doutrina através de suas belas e emocionantes peças, entre elas Além da Vida (que tive o privilégio de assistir), E a vida continua, e o próprio Nosso Lar.
Ele me contou que o filme é uma produção americana (não chegou a mencionar o nome, mas desconfio que seja Fox Filmes), com a maioria da equipe, portanto, estrangeira, mas com elenco nacional, incluindo ele. É gratificante saber que existe interesse estrangeiro (no caso a Fox) em querer filmar uma história espírita e nacional, já que se baseia no livro de Chico Xavier.
A produção realmente impressiona pela sua estrutura, com número de profissionais envolvidos, equipamentos utilizados etc. Uma boa produção, um elenco excelente e uma história fantástica são elementos fundamentais para acreditar que este é um filme que promete! E espero conferir o mais breve o resultado final na tela grande.

_____________________________________________
CONSTRUÇÃO DO AEROBUS DE “ NOSSO LAR ”_____________________________________________


Filme brasileiro será baseado no livro psicografado Nosso Lar, de Chico Xavier.

Débora Ertel/Da Redação

Novo Hamburgo 21/08/2009 - Em breve o talento de um artista hamburguense será conhecido na tela dos cinemas de todo o Brasil. Alvoni Nissola da Silveira, 51 anos, foi o responsável pela construção do ônibus espacial que irá compor o cenário do longa-metragem brasileiro Nosso Lar. O filme é baseado no livro Nosso Lar, psicografado por Chico Xavier pelo espírito do médico André Luiz. Embora o meio de transporte intergalático não se movimente, seu tamanho é real. Com a ajuda de dez colaboradores, o artista precisou de dois meses e meio para fazer o aerobus de 14 metros de comprimento, três de largura e lugar para 34 passageiros. A peça foi produzida com 95% de fibra de vidro e 5% de madeira.

A equipe de trabalho não teve moleza, em ação de segunda à sexta-feira, das 8 às 22 horas, aos sábados e algumas vezes até aos domingos. Na noite de quarta-feira um guincho colocou a obra de arte, construída em um galpão do bairro Boa Saúde, no caminhão. Hoje ao meio-dia o equipamento, com cerca de três toneladas, deverá chegar numa fazenda da capital do Rio de Janeiro e aguardar pelas gravações.
Concurso
Silveira, além de construtor de projetos, é técnico em fiberglass e designer, é especialista em metalurgia e tornearia e amante de carros antigos. A experiência de 27 anos, aliada ao detalhismo adquirido na restauração de veículos com fibra de vidro, fez com que o hamburguense vencesse o concurso para construir o ônibus espacial. Segundo ele, seu trabalho foi descoberto por meio da internet. "Quando eu vir o aerobus no cinema será muito gratificante", comenta. Enquanto isso, ele já trabalha em outros projetos. Um é a conclusão da restauração de um Shelby Cobra e o outro é a tratativa para construir uma cabine de avião, que será usada para simulação de voos.
FONTE: http://www.jornalvs.com.br/site/noticias/geral,canal-8,ed-60,ct-501,cd-212807.htm
-->Clique na Foto para Ampliá-la

Foto:Diego Vara
Ônibus espacial "invade" BR-116
Pesando cerca de três toneladas, a peça levou quase três meses para ficar pronta

Peça fará parte de longa-metragem inspirado em livro psicografado por Chico Xavier
Quem passou nesta quarta-feira pela BR-116, em Novo Hamburgo, no Vale do Sinos, deparou com uma cena inusitada. Uma réplica de um ônibus espacial com 14 metros de comprimento e 10 metros de largura, rebocado por uma carreta, se deslocava pela rodovia em direção ao Rio de Janeiro.
A peça, produzida em solo gaúcho, fará parte das filmagens do longa-metragem inspirado no livro psicografado por Chico Xavier, chamado Nosso Lar.
Pesando cerca de três toneladas, a peça levou quase três meses para ficar pronta. Produzida em um galpão no bairro Boa Saúde. A obra, produzida por Alvoni Nissola da Silveira, foi feita em madeira, fibra de vidro e acrílico e deve chegar ao Rio de Janeiro no final de semana.
ZERO HORA
FONTE: http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1§ion=Geral&newsID=a2624262.xml
EQUIPE DE FIGURINO DO FILME "NOSSO LAR"

FOTOS DO LOCAL DE CENÁRIO DO FILME: BAIRRO DE SANTA TERESA-RJ




Produtores comentam filme Nosso Lar (2010) em visita a FEB

BOLETIM TV CEI-> Entrevista com Luiz Augusto de Queiroz, Diretor do Banco BRJ que Investe no Filme através do FUNCINI
______________________
SERVIÇO:
______________________
Nosso Lar [Em Produção]
(Nosso Lar, Brasil, 2010)

Orçamento: R$ 4.094.504,21 (estimado)
Status: Filmando
Gênero: Drama
Tipo: Longa-metragem / Colorido
Produtora(s): Cinética Filmes e Produções
Diretor(es): Wagner de Assis
Roteirista(s): Chico Xavier



FONTE: http://valintim.blogspot.com